domingo, 19 de novembro de 2017

Deixar tudo ao deus de ará...


Resolvi falar de uma questão que, apesar de forma sublime abordar aqui regularmente, raramente dou exemplos práticos. Isto porque é algo que considero que faz parte dos meus deveres enquanto cidadão e, por isso, não precisa de ser publicitado. Mas agora abro uma excepção. Normalmente achamos que só temos direitos e não temos deveres.
Um dos exemplos que costumo dar quando falo com os meus amigos é quando vem um temporal e o vento tomba certos objectos, tais como os caixotes do lixo. Enquanto a maior parte das pessoas nada faz, dizendo que isso é função da câmara ou da junta, eu mexo-me e coloco os objectos na sua devida posição. É esta diferença de atitude que faz toda a diferença.
Mas vamos a um exemplo prático. No início de Setembro, ao passar por uma estrada pouco frequentada, deparei-me com este problema na via. Terão sido centenas de pessoas que ali passaram ao longo de meses e que, vendo aquilo, nada fizeram. Mas se depois passassem por ali e tivessem um acidente, aí a conversa já seria outra. Possivelmente iriam culpar a câmara ou a junta...
Eu sou diferente, já que tendo-me deparado com esta situação, parei o carro, tirei fotos e coloquei pedras para sinalizar minimamente o perigo. Poucas horas depois já tinha enviado uma mensagem à Câmara Municipal de Ansião a relatar esta situação, de forma a que a mesma fosse resolvida. Passados uns dias recebi uma mensagem a agradecer o alerta e a comunicar que o problema tinha sido resolvido e que agora a via de comunicação estava em condições. Chama-se a isto cidadania activa. E é apenas mais uma acção que me faz estar de consciência tranquila, pois a cidadania activa é assim mesmo, plena. E posso desde já dizer que sempre que alertei para situações deste género, elas foram sempre resolvidas em poucos dias, facto que importa destacar.
Mas indo agora ao cerne da questão, quantos de vós já tiveram esta atitude? Por exemplo em Ansião suspeito que sejam muito poucas as pessoas que o fazem, já que sempre que vou aos serviços camarários alertar sobre situações como esta, percebo que são efectivamente poucos os que o fazem. Vejo muitas pessoas a criticar (o que por si mesmo não é mau) mas poucas a exercer a cidadania activa, onde os direitos e os deveres são duas faces de uma mesma moeda. Se todos tivermos uma atitude deste tipo, todos teremos a ganhar com isso e, assim, evitaremos problemas perfeitamente evitáveis e só possíveis devido à nossa atitude passiva. Vamos exercer a cidadania activa?!

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Uma janela sobre a literacia ambiental...


Uma das questões com a qual me deparo mais vezes, quando falo com as pessoas sobre ambiente, é quiçá a mais importante de todas. Falo, claro da literacia ambiental, da percepção que temos sobre o nosso território, sobre aquela que é afinal a nossa casa, o planeta terra. Não conhecer todas as divisões da nossa casa é um problema estrutural, daí eu já há vários anos fazer este investimento pessoal e profissional em prol da causa maior que é a sensibilização ambiental.
Há poucas semanas, e quando me cruzei na rua com uma pessoa amiga, acabámos por ficar ali a falar longos minutos sobre a temática do mundo natural. Ouvi algo que me preocupou e que, tal como acima referi, é algo que o qual sou confrontado demasiadas vezes. Em termos muito resumidos, aquela pessoa dizia-me que tinha uns terrenos que não valiam nada e que eram um estorvo. Na brincadeira até me disse se eu queria os terrenos. Ou seja, por não ser possível construir ali uma casa ou por não ser um terreno agrícola, não tinha qualquer valor.
Comecei logo a rebater os factos, dizendo que aqueles argumentos não justificam o desprezo pelos terrenos, até porque eles têm funções que normalmente desconhecemos ou que basicamente não achamos importantes, talvez porque essas funções estão, por enquanto garantidas. Falo, claro, dos serviços dos ecossistemas. Estes serviços dos ecossistemas são basicamente benefícios que nós, enquanto sociedade, retiramos dos ecossistemas. Estes serviços dividem-se por serviços de produção (ex. alimentos, água, medicamentos), de regulação (polinização, regulação climática, mitigação de cheias, controlo de pragas, etc), serviços culturais (ex. educação, recreação, património, espiritual) e serviços de suporte (manutenção da biodiversidade, reciclagem de nutrientes, produção primária).
Boa parte de nós desconhece, na prática, estes factos, daí não lhes dar o seu real valor e não incluir a defesa destes valores na sua cidadania, activa muitas vezes em outros temas e simplesmente ausente nesta questão de primordial importância na nossa existência.
Agora duas questões se colocam, a primeira é se vão resistir a fazer uma busca no computador ou no telemóvel inteligente sobre os serviços dos ecossistemas e se da próxima vez que se meterem num carro (ou bicicleta ou a pé...) e palmilharem dezenas de km continuarão a desconhecer que todas aquelas diferenças que vêm na paisagem natural têm uma função, a qual pode ser essencial para a vossa existência. Aproveito para vos sugerir a leitura do livro "pensar como uma montanha" de Aldo Leopold.
Cada vez mais me apercebo que o caminho de sensibilização que tenho em frente nos próximos anos é hercúleo. Haja saúde...

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

O que é que eles andarão a fazer?



Há umas semanas deparei-me com estas e outras imagens nas redes sociais. Se por um lado fiquei contente em ver um elemento paisagístico como este a ser construído (são raros os que ainda resistem), por outro fiquei preocupado ao perceber que não seria um abrigo de pastor, mas sim um abrigo construído para caçadores. Foi a impressão com que fiquei e logo que falei no termo caçadores, alguns saíram da toca, tendo a coisa, e de certa forma, aquecido.
Isto passa-se na Serra de Alvaiázere, uma serra fantástica, mas que infelizmente tem sido alvo de acções absolutamente destruidoras das suas mais valias.
Nunca escondi que não aprecio a caça nem a maior parte da atitude dos caçadores, dado a caça ser actualmente algo de absurdo (apenas se justificam algumas acções de controle de algumas espécies, nada mais) e ser um mundo onde o vandalismo e o desrespeito pelo mundo natural é o pão nosso de cada dia.
Irei estar atento ao que por ali se passa, já que se há uma coisa que é certa é o facto dos caçadores serem especialistas a fazer asneiras, por mais tentem fazer passar uma boa imagem, de gente respeitadora. Uma das últimas situações que me lembro, nesta serra, foi de quando ardeu da última vez, num incêndio muito suspeito. Havia no topo da serra um local onde os caçadores tinham um comedouro, que utilizavam para alimentar a caça. Depois de ardido, nem se deram ao trabalho de limpar e levar dali os restos de plástico. Simplesmente mandaram o plástico uns metros para o lado e colocaram um novo comedouro. É algo que ilustra bem a forma de ser dos caçadores. Sei que nem todos são assim, mas também sei que a maioria é assim mesmo.
Se tivessem o mesma atitude que têm pela caça e a estendessem ao património natural, aí as coisas podiam ser bem diferentes. Mas felizmente que o tempo irá fazer com que a caça nos moldes actuais termine. Chamar à caça um desporto é simplesmente estúpido!

domingo, 5 de novembro de 2017

Reabilitação urbana: juntar a identidade à modernidade

Há pouco mais de um ano, abordei o caso da reabilitação de um edifício histórico em Ansião, no âmbito do tema da reabilitação urbana. Hoje volto à carga com mais um exemplo de reabilitação de um edifício na Vila de Ansião, desta vez uma reabilitação diferente, que implicou obras diferenciadas. Compreendo que em alguns casos tem de se seguir outro caminho, já que alguns dos edifícios são bastante limitados em termos de espaço, não sendo por isso prático nem racional promover obras só para inglês ver. Por isso mesmo há que inovar e integrar o melhor de dois mundos, a identidade pré existente e o prático do dia-a-dia. Neste caso, e tendo eu já visto algumas imagens do interior, num site de arquitectura, penso que se conseguiu algo interessante, que não desvirtuou o que já existia e que criou algo de prático e muito útil.





Vivemos demasiado num tempo onde as empresas de construção civil estavam apenas interessadas e preparadas para fazer de raíz, esquecendo a importante reabilitação urbana. As empresas que apostaram na reabilitação urbana, ainda antes da crise, foram as que melhor se safaram, já que abriram uma escapatória à crise e criaram uma nova frente no que concerne a esta actividade económica. As que não quiseram evoluir foram as que tiveram mais problemas, diria eu que ainda bem pois assim até se fez uma escolha no que concerne aos melhores. Havia uma grande falta de qualidade na construção e agora  as coisas estão a mudar, esperando eu que continuem a mudar para melhor, com mais e melhores empresas e com profissionais que inovem, seja no que de novo se construa, seja no que de velho se reabilite. Daqui a mais uns tempos voltarei a esta questão, pois já tenho mais para mostrar...

sábado, 28 de outubro de 2017

Pequenos contributos que podem fazer toda a diferença!

Não é propriamente o meu estilo publicar aqui recortes de imprensa, no entanto abro mais uma excepção, a qual se justifica plenamente tendo em conta a temática em causa. Parabéns ao Jornal Terras de Sicó por abordar um tema que, apesar de esquecido pelas entidades públicas, é da maior importância para a região. A ver vamos se mais alguma notícia sobre esta tema surge entretanto...

terça-feira, 24 de outubro de 2017

E assim nasce um ícone!


Preferi esperar todos estes meses, já que queria ver como isto ia correr. Ou seja, queria perceber como a coisa ia evoluir. Felizmente que a obra de arte se manteve e, já depois de ter apresentado alguns problemas de conservação, por efeito das condições meteorológicas, foi reabilitado e promovida a sua conservação, pensando no longo prazo.
Actualmente pode-se afirmar, sem receios, que temos ali um ícone cultural, feito pela mão dos amigos da Aln Netos, uma Associação que tem sido verdadeiramente dinâmica ao longo dos anos e uma guardiã da etnografia regional.
São exemplos destes que a região de Sicó precisa e, diga-se, associações valorosas não faltam. Falta é algum apoio às mesmas, de forma a dar-lhes mais pujança, ganhando com isso o património, a identidade local e a própria economia, já que a cultura consegue ser uma mais-valia económica muito importante. Mas isto, claro, não numa lógica circense, mas sim numa lógica de naturalidade, como tão bem a Aln Netos, e outras, nos têm mostrado.
E que tal pensar-se agora noutras ideias, pensadas pelas associações locais, que, na sua área, podem fazer maravilhas como esta que a fotografia demonstra? Fica o desafio ao associativismo de toda a região de Sicó.
Só para terminar, e para quem não conhece este ícone, situa-se numa rotunda à beira do IC8, em Ansião. Tenham cuidado a tirar fotos, pois todo o cuidado é pouco!

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Agora, mais do que nunca!


Todos os anos publicito esta iniciativa, seja nas redes sociais, seja no azinheiragate. Este ano não é excepção. Este ano, mais do que nunca, impõe-se fazer algo de fundamental, mas para isso é preciso voluntários, seja para ajudar a montar a estrutura a nível regional, seja para, nas semanas em causa, plantar espécies autóctones. Sicó foi também fustigada, portanto aqui e por todo o Portugal importa reflorestar, já que agora há demasiados espaços cinzentos para recuperar e reabilitar. Fica o desafio. Não poderei ser o responsável por esta iniciativa na região de Sicó, já que é-me impossível conjugar com a minha vida profissional, contudo poderei ajudar conforme as minhas disponibilidades. Assim sendo, há que divulgar ao máximo esta iniciativa, de forma a que cidadãos e entidades, públicas e privadas, se envolvam nesta iniciativa crucial para a nossa floresta!

domingo, 15 de outubro de 2017

Quando a cabeça não tem juízo, a educação ambiental é que paga...



Demorei meses até que decidi falar desta questão. Reflecti sem pressas e deixei o tempo fazer o seu trabalho, mas a mágoa continua. O motivo porque apaguei segmentos destas duas fotos deve-se ao facto de não pretender afectar a imagem da entidade em causa, até porque a culpa não é dela, mas sim culpa da malvadez e estupidez humana de uma ovelha negra. Quero apenas mostrar do que se trata, daí mostrar os ecopontos e não o cenário dos mesmos.
Mas comecemos pelo início. Há uns anos adquiri às minhas custas alguns mini-ecopontos, de forma a oferecer a uma determinada entidade, fomentando assim a educação ambiental, senso lato, e a separação de resíduos em termos já mais objectivos. Foram anos de sensibilização e dezenas de pessoas levaram para casa algo de novo, a sensibilização para algo de importante como o é a reciclagem. É uma tarefa que leva o seu tempo, mas que resulta e é gratificante, isso vos posso garantir. Os mais de 200 euros que gastei em 2006 compensaram, pelo menos até determinada altura.
Como em tudo na vida há ovelhas ranhosas, que tentam impedir o avanço civilizacional. A reciclagem é um desses avanços civilizacionais. Durante os anos em que estive naquela entidade, ninguém se interpôs num caminho que consegui trilhar e do qual muito me orgulho. O estatuto que tenho funcionava como protecção aquela medida pedagógica. Apesar desse facto, houve sempre uma ou duas ovelhas ranhosas, que queriam acabar com a reciclagem, estando desejosas que eu me fosse embora dali. E esse dia chegou a determinado momento. Logo que aconteceu, a primeira coisa que essas ovelhas ranhosas fizeram foi transformar dois dos conjuntos de mini-ecopontos em caixotes do lixo, pervertendo algo de tão importante como era a reciclagem. Mas não se ficaram por aí, pois retiraram um papel que apelava à separação de resíduos e até os ímanes do frigorífico, alusivos à reciclagem,   desapareceram. Não é algo que me surpreendeu, já que já tinha ouvido, meses antes, que certa pessoa tinha prometido que ia acabar com a reciclagem, mesmo que não mandasse nada ali (as paredes têm ouvidos e eu oiço-as...). É algo que lamento profundamente. Se há um atestado de ignorância e malvadez passível de apresentar, este é um deles.
Apesar da maioria do pessoal já ter começado a integrar a questão da reciclagem, este acto ignóbil, é um reprocesso civilizacional, que infelizmente afecta negativamente a imagem da entidade em causa.
Há quem saiba do que estou a falar, mas, e a esses, peço que não falem do local onde isto se passa, já que, como já referi, não é ela que tem a culpa. Foi ela aliás que sempre apoiou a reciclagem entre portas. O importante é mesmo fazer-vos reflectir sobre esta questão e, envergonhar quem tomou a iniciativa de acabar com a reciclagem ali, numa de vingança para com a minha pessoa, numa (i)lógica de ressabianismo puro. Trata-se de alguém que só é gente entre aquelas portas, pois fora delas é um zé ninguém. E, diga-se, mesmo lá dentro, é gozado por muitos, tal a infantilidade crónica.
Para terminar, eu não condeno quem não sabe, condeno sim quem não quer saber...

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Não se esqueçam, leiam e dêem a ler!!



Ler a dar a ler, é esse um dos meus lemas. Leiam e dêem a ler, é essa a minha sugestão, a qual faço sistematicamente questão de vos lembrar. Ficam algumas sugestões de mais uns livros e revistas que, recentemente, entraram para a minha biblioteca pessoal. Tudo em bom português, sem abortos ortográficos à mistura. E olhem que oferecer um livro é dos presentes mais úteis que podem dar a quem vos é próximo! Dar um livro é também um acto de amor, o qual deve ser encorajado!
Em cada uma destas sugestões de leitura podemos encontrar temas e questões que só nos enriquecem e que ajudam a que tenhamos uma melhor capacidade de análise  e discernimento perante factos muito importantes, nomeadamente o nosso património e a nossa cultura. Estimular a leitura é importantíssimo!









quinta-feira, 5 de outubro de 2017

A exposição é uma bela desculpa para conhecerem um belo Museu!


Sou suspeito para falar sobre esta exposição. Digo apenas que uma imagem vale mais do que mil palavras... E têm lá 17 imagens, portanto aproveitem para conhecer o belo Museu Municipal de Alvaiázere! 

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

O crime ambiental é algo que tem de ser denunciado!


A imagem não é a melhor, mas é a imagem possível, portanto não se admirem ter dificuldade em perceber o que ali está em cima daquele tronco de carvalho. Mas vamos então saber o que aquilo é...
Trata-se de uma bateria de um carro, aberta, que estava escondida dentro do tronco de um carvalho já cortado há algum tempo, que é agora um "bom esconderijo". Porquê? É uma arma que certos covardes utilizam para secar árvores de vizinhos. O ácido sulfúrico faz maravilhas quando se trata de secar árvores saudáveis que estorvam, nomeadamente sobreiros...
Além de representar uma atitude covarde, é algo que polui de forma gravosa, prejudicando-nos a todos!
Sei quem é que fez isto, pois curiosamente, ou não, já estava a acompanhar o indivíduo em causa, concretamente num caso onde já árvores secaram miraculosamente ao pé de um muro feito nos últimos meses pelo próprio, facto que vem mesmo a calhar ao indivíduo em causa.
A ele, a minha promessa de futuras multas ambientais e outras mais, é o mínimo que lhe posso fazer depois desta atitude desprezível e atentatória da saúde pública. E não se trata de saber se, mas sim quando...

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

A ameaça chegou a Sicó, estejam atentos por favor!


Nas últimas semanas já foi dada a conhecer, pela imprensa regional, a chegada de mais uma ameaça à biodiversidade regional e mais um problema para os apicultores desta região (como se já não chegassem os incêndios...). O potencial destrutivo deste espécie invasora é terrível, e isso tem também graves impactos económicos, daí a importância de estar atento aos eventuais ninhos de vespa asiática que possam ocorrer neste território. E não inventem, alertem as autorizades! E cuidado com as picadas...
Eu fui das pessoas que foi apanhada quase de surpresa com a chegada da vespa asiática à região de Sicó, já que no início deste mês, quando andava em Alvaiázere a fotografar aspectos geológicos num vale cársico, deparei-me com várias vespas asiáticas, que estavam concentradas numa pia cársica, onde alguma humidade acumulada lhes matava a sede.
Mas atenção, tem havido casos onde se pensa que é a vespa asiática e não é, portanto há que ver com atenção e tirar todas as dúvidas. Não podemos correr o risco de matar espécies naturais destes ecossistemas. Informe-se devidamente, já que informação sobre a vespa asiática não falta.
Se todos estivermos atentos, podemos, juntos, ajudar a mitigar mais esta ameaça ao nosso património e à nossa economia!


segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Seminário MosaicoLab, uma semente do CREATUR


Decorrente de um muito interessante projecto que está a ser desenvolvido por várias universidades, de Norte a Sul do país, o CREATUR, eis que surge na região de Sicó uma das sementes deste projecto de turismo criativo, o MosaicoLab. Coincidência ou não, e ainda sem saber deste projecto (MosaicoLab), há poucas semanas estive reunido com elementos deste projecto e confesso que foi bastante interessante conversar com estes investigadores num gabinete de uma das universidades envolvidas neste projecto, ficando eles a saber de um outro projecto idealizado e desenvolvido na região de Sicó por sicoenses.
Neste mesmo projecto, o MosaicoLab, várias actividades estão previstas, portanto nada como começar a publicitar uma particularmente interessante, um workshop sobre mosaicos, ou seja toca a analisar a informação que consta no link em causa e divulgar, sendo que as inscrições são limitadas. Inscrevam-se e/ou divulguem esta acção patrimonial, pois o património e Sicó agradecem.
Importa também referir o seminário e as visitas guiadas temáticas programadas para as Jornadas Europeias do Património, que irão decorrer no próximo fim-de-semana.
São, portanto, mais uns quantos bons motivos para visitar a região de Sicó, aprender sobre o património e ficar mais consciente do imenso património e cultura que esta região tem para nos surpreender!

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Acudam aos muros de pedra da região de Sicó!!




Antes de mais desculpem a fraca qualidade das imagens, fruto de um problema técnico decorrente do computador a partir do qual captei as imagens que aqui apresento, através do facebook de um elemento do executivo da Junta de Freguesia do Alvorge, Ansião (Carlos Anastácio).
Logo que vi estas imagens, que ilustravam o alargamento de caminhos florestais, delimitados pelos belos e característicos muros do carso de Sicó, fiquei preocupado, já que a esmagadora maioria das vezes isso significa que os muros vão ser arrasados e não são reconstruídos segundo a tipologia tradicional, algo que é grave em termos de identidade local e em termos de degradação da paisagem cultural de Sicó. Questionei sobre o facto se os muros seriam refeitos, tendo-me sido respondido que não, já que apesar de isso até ter estado previsto, mas que o dono tinha voltado atrás da decisão de recuperar os muros.
Não condeno o proprietário, já que a sensibilização é inexistente, tal como regras que visem a preservação destes fundamentais elementos da paisagem cultural de Sicó. Condeno sim e lamento profundamente a falta de regras que salvaguardem este tipo de património construído, as quais poderiam estar devidamente transpostas em sede de Plano Director Municipal e noutros planos relacionados. Falta a sensibilização a todos os níveis. Nunca houve um real interesse em desenvolver esta questão, contudo os nossos autarcas continuam a defender a necessidade de proteger o património, pelo menos quando falam para os jornais, rádio ou televisão. São, portanto inconsequentes. Falo, claro, ao nível das Câmaras Municipais, já que as Juntas de Freguesia pouco podem fazer neste domínio, seja pela falta de técnicos, seja pelos orçamentos respectivos. 
Urge alterar o paradigma, a bem da paisagem cultural da região de Sicó. Caso não o façamos, daqui a poucos anos imagens belas como esta farão parte do passado, algo que lamento profundamente...
Peço-vos, portanto, que partilhem este humilde comentário, de forma a que a mudança comece agora e em força!







sábado, 9 de setembro de 2017

Resumindo, é isto!


Todos os anos costumo publicitar as Jornadas Europeias do Património e este ano não é excepção. A diferença é que este ano participo activamente nas mesmas, através de uma pequena exposição de registos fotográficos associados a alguns dos elementos representativos da geodiversidade que podem  observar pelos lados de Alvaiázere. Trata-se, portanto, de uma exposição fotográfica de cariz científico, com um objectivo declaradamente pedagógico. Espero que este extra vos motive a ir a Alvaiázere e a passar um dia diferente, a desfrutar o património local e a conviver com aqueles que pugnam pelo património natural e cultural de Alvaiázere.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

O que é bom é para se partilhar!


A diferença entre o sucesso e o insucesso nas políticas de desenvolvimento territorial tem a ver em boa parte com a competência ou incompetência das pessoas que estão à frente dos organismos ou associações que operam às várias escalas. Neste caso refiro-me à escala local e, concretamente, a Alvaiázere. Nos últimos tempos as coisas mudaram para melhor, fruto do fim da "idade das trevas" e dos velhos do Restelo e da era dos ressabiados mimados. O paradigma mudou e outros "actores" entraram em cena, facto que teve reflexos positivos.
Uma das pessoas que entrou em cena, com uma postura e competência a destacar, foi o, agora, Presidente da Associação de Desenvolvimento Integrado do Concelho de Alvaiázere, Bruno Furtado de Sousa, que trouxe consigo algo que faltava em Alvaiázere há muitos anos, sabedoria, criatividade e humildade. Ao contrário de outros, que não sabem ouvir os outros nem mesmo trocar ideias de forma honesta e produtiva, é alguém que tem capacidade de encaixe, que não embirra com aqueles que têm ideias diferentes e que respeita, não tentando tramar a vida pessoal e profissional de quem discorda de si. Não sendo o único responsável pela realização do evento que destaco neste comentário, é alguém que considero determinante para a realização do mesmo, dada a sua postura e vontade de fazer mais.
O bootcamp de empreendorismo não é o início de algo, é sim a continuação de um processo que já teve início há algum tempo e foi devidamente planeado. 
Já estive presente numa outra actividade promovida pelos mesmos actores de desenvolvimento territorial e posso dizer que foi algo de excepcional.
Esta iniciativa tem um potencial mobilizador importante em termos de dinamização territorial e económica, daí a importância de o referir e de o ajudar a publicitar. Não tenho a mínima dúvida dos efeitos positivos que esta linha de actuação, presentemente em desenvolvimento em Alvaiázere, terá a nível concelhio e a nível regional, a seu tempo. Sim, porque cada concelho só estará melhor se os seus vizinhos também estiverem, pormenor que tem escapado a muita gente, defensora das políticas das capelinhas.
Para o/as interessado/as, fica o programa:

"16 Setembro
09h30 // Sessão de Abertura
Célia Marques, Câmara Municipal de Alvaiázere
Vanessa Batista, Territórios Criativos
10h00 // Inspirational Talk (sessão aberta ao público)
Isabel Neves, empresária e reconhecida investidora (Shark Tank Portugal)
11h30 // Coffee Break
12h00 // Perfect Pitch
Vanessa Batista, Territórios Criativos
13h00 // Almoço Livre
14h30 // Teamwork
16h00 // Speed Mentoring

17 Setembro
10h00 // Empreendedorismo e o Potencial da Região Centro (sessão aberta ao público) Gonçalo Gomes, Turismo do Centro
João Coroado, Instituto Politécnico de Tomar
Luís Matos Martins, Territórios Criativos
Rui Pedrosa, Instituto Politécnico de Leiria
Moderação – Mário Pinto, Diário de Leiria
11h30 // Coffee Break
11h45 // Pitch your Idea
13h00 // Sessão de Encerramento
Célia Marques, Câmara Municipal de Alvaiázere
13h15 // Network & Lunch"
Fonte: Alvaiázere +
Parabéns a todos os organizadores deste evento, Sicó fica-vos agradecida!

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Dar vida ao património!


Tendo em conta que a iniciativa "Dar vida aos coretos" também passa pela região de Sicó, concretamente por Alvaiázere, que tem um belo coreto, importa ajudar a divulgar esta iniciativa que tanto valoriza os nossos belos coretos. Agora não há desculpa para não ir a este evento!

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Árvores monumentais: proteger e classificar!


Na região de Sicó ainda existem muitos exemplares daquilo a que se pode chamar como árvores monumentais. A da foto é uma bela oliveira situada pelos lados de Alvaiázere, mas poderia ser em qualquer parte da região de Sicó.
Infelizmente os municípios não têm apostado na preservação e na classificação destes belos exemplares do arvoredo da região de Sicó. São importantes a vários níveis, desde a botânica ao turismo. São raríssimos os exemplares que estão devidamente catalogados e classificados nos respectivos Planos Directores Municipais, algo de incompreensível. Das vezes que tentei sensibilizar para a classificação de alguns exemplares, a reacção foi de desinteresse, sendo que vi que essa possível classificação era encarada como um possível estorvo...
Em tempo de eleições muitos fazem-se de amigos da Natureza, contudo não são consequentes e rapidamente esquecem as suas próprias palavras. Das raras ocasiões onde surgem na notícia é apenas para aparecer na foto, com uma enchada na mão, a plantar uma árvore num qualquer jardim, de fato e gravata...
E nós, o que podemos fazer para reverter este esquecimento deste imenso património? Exigir a sua valorização e a sua protecção! Podemos inclusivamente pedir a classificação de exemplares monumentais, algo que não é difícil de se fazer. Havendo vontade e um bocadito de tempo faz-se! E se precisarem de ajuda, pode ser que se arranje.
Porque as árvores são dos mais belos monumentos naturais, há que pugnar pela protecção dos mesmos. Cada árvore que nasce é mais uma homenagem a este belo planeta em que vivemos. Plantar espécies autóctones deveria ser um acto natural por parte de cada um de nós. Carvalhos, azinheiras, sobreiros, loureiros, nogueiras, castanheiros, freixos e muitos outros mais podem ocupar o seu espaço, seja em terrenos desflorestados, seja em terrenos ocupados pela praga dos eucaliptos.
A árvore é um berço da vida!

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

As saudades que eu já tinha da minha alegre casinha...



É uma reflexão comum por parte de muitos de nós, contudo apenas de forma superficial. É daquelas coisas que pensamos, mas rapidamente deixamos de lado, quiçá por pensarmos que são supérfluas. E isto mesmo que seja algo de realmente importante... Urge uma reflexão profunda sobre o que afinal queremos e precisamos, de facto, para as nossas vilas da região de Sicó e também para a cidade de Pombal.
Da última vez que estive em Pombal, em Julho, fui até ao castelo desfrutar um bocado do património. Depois chegou a hora de ir até à estação de comboio. Fui a pé, naturalmente, fazendo quase como que um transecto pela cidade, por ruas esquecidas e pouco percorridas, fazendo o respectivo registo fotográfico.
O que vi é sintomático, um centro degradado, esquecido e por potenciar. A política do betão que Narciso Mota desenvolveu durante demasiados anos teve o resultado esperado, ou seja a degradação do centro urbano e o crescimento desenfreado da periferia, numa (i)lógica nada saudável.
O que se vê por aqui não é bonito e as perspectivas não são as melhores, já que o paradigma teima em subsistir. A culpa? Não, não é dos autarcas, é sim, e em primeiro lugar de quem os elege, ou seja nós. Continuamos a insistir em delegar o nosso futuro nas mãos de uma classe claramente não preparada e não competente. Achamos normal ter de tirar um curso para exercer uma profissão (ex. médico), mas anormal ter uma formação mínima no domínio da governação. E depois ficamos indignados com a falta de competência no âmbito autárquico...
É uma pena que tantos centros urbanos estejam no estado deste. Muito potencial, arquitectura vernacular e muito mais por recuperar. Há que promover políticas que possibilitem o revitalizar dos centros urbanos. É fundamental voltar a fazer "correr sangue" nestas artérias, favorecendo o regresso das pessoas que dão vida às vilas e cidades. E isto sem favorecer o uso do automóvel. A parte mais antiga de Pombal é plana, portanto tremendamente favorável para os modos suaves e para os peões. Todos ficamos a ganhar!
E lembrem-se que este ano é ano de autárquicas, portanto é fundamental questionarem todo/as o/as candidato/as aos órgãos autárquicos, de modo a se inteirarem sobre as suas posições. Chama-se a isso cidadania activa! Há que ser interventivo, sem receio dos rótulos da praxe (ser considerado do contra...), pois um cidadão com medo é um cidadão domado pelos interesses...



domingo, 13 de agosto de 2017

Vandalismo nas Buracas do Casmilo: um apelo à mobilização!




As Buracas do Casmilo são uma referência internacional. Durante demasiado tempo foram um geossítio desconhecido, mas nos últimos anos ganharam o merecido destaque regional, nacional e internacional, graças a alguns investigadores que tiveram o mérito de reconhecer e estudar a jóia que ali encontraram.
Há pouco tempo a própria Câmara Municipal de Condeixa incluiu este geossítio no cartaz turístico da Feira de Turismo de Lisboa. Aparece também referenciado no programa escolar do Ministério da Educação. Mas não só...
Infelizmente o vandalismo que ali ocorre não tem parado e pouco ou nada tem sido feito para mitigar o grave problema que coloca em risco este património de valor inestimável. Há uns dias uma senhora natural da aldeia do Casmilo, entrou em contacto comigo, de forma a dar conhecimento desta situação, facultando-me inclusivamente as fotografias que ilustram este comentário. Como já não vou lá há uns meses, foi bom ter conhecimento de como as coisas estão por lá, já que assim consigo monitorizar de alguma forma a questão. Como eu sei que falando aqui desta situação pode ajudar a resolver este problema, faço então um apelo à Câmara Municipal de Condeixa que tome medidas concretas e objectivas para resolver de vez o problema do vandalismo no Vale das Buracas. Mas não só, locais e Universidade de Coimbra devem também mobilizar-se na defesa deste local icónico. E a imprensa regional também pode ajudar, dando destaque ao caso. Fica o desafio Jornal Terras de Sicó!
Isto pode e deve passar por várias acções. Desde a vigilância dos locais (telefonem à polícia caso vejam vandalismo) até à elaboração de um plano de gestão para este geossítio, muito se pode fazer para, na prática, salvaguardar este património que é de todos. Todos ficaremos a ganhar se o fizermos e todos ficaremos a perder se este património se perder!
E se for preciso a minha ajuda, cá estarei para, na medida das minhas disponibilidades ajudar à resolução do grave problema. A região de Sicó não se pode dar ao luxo de perder mais uma das muitas jóias da sua coroa!

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Batota no orçamento participativo?


Confesso que não esperava tal coisa, contudo parece que aconteceu. Os orçamentos participativos (OP) são recentes em Portugal e ainda mais recentes na região de Sicó, facto que leva ao inevitável chico-espertismo de alguns, aliás típico em processos deste género e durante os primeiros anos dos mesmos. Há uns dias vi uma mensagem, num grupo do facebook do Avelar, de um apoiante de um dos projectos do OP, indignado sobre algo que se passou. Supostamente a urna de votação foi violada para contabilização dos votos, algo muito de estranho num processo destes. Ao contrário do que dava a entender, esta acção alegadamente não terá ocorrido apenas no Avelar, mas sim noutros locais com urnas, já que havia duas formas de votar, online ou presencialmente.
Julgo que isto terá a ver com o facto de, alegadamente, terem sido detectados boletins de voto fora do edifício onde estava sediada a urna do Avelar. A ser verdade trata-se de batota. Por mais valor que tenha um projecto, ele de nada vale se ganha através de batota. É normal querermos ganhar, contudo não é aceitável fazer batota.
Mas o caso não fica por aqui, já que apesar dos resultados só estarem anunciados para o dia 11 de Agosto, a 5 de Agosto já eu tinha visto uma ficha com os resultados em dois grupos do facebook. Mas há mais, já que já em Julho tinha ouvido uma pessoa, apoiante de um outro projecto, a afirmar que sabia como estava a decorrer a votação online. Isto significa que, alegadamente, sabia de algo que não era suposto alguém saber. E, sabendo regularmente o número de votos dos outros projectos, que naquela altura eram alegadamente desfavoráveis ao seu, dava para fazer um jogo pouco transparente em termos éticos. Não era suposto isto acontecer num processo que se pretende tanto transparente, como digno de uma verdadeira democracia participativa.
Ou seja, esta votação está, na minha opinião, enviezada e a duas frentes e, por isso, ferida de morte. A bem da transparência e da democracia participativa urge anular os resultados e repetir a votação, de modo a legitimar todo este processo. Neste momento, e tendo por base o que alegadamente sucedeu, o processo está completamente descredibilizado.
Um orçamento participativo não é compatível com batotas nem com compadrios, já que se assim for é outra coisa que não um OP. E não, não é fechando os olhos a este tipo de situações que nos tornamos um país e uma região valorosa, muito pelo contrário... E sim, ter acontecido o que aconteceu é grave!
Polémicas à parte, parece-me que este OP seguiu um caminho que desvirtua claramente um processo destes. O projecto que ganhou não deveria sequer participar neste OP, já que a verba para a compra deste importante equipamento deveria estar naturalmente consignada no respectivo orçamento anual da protecção civil municipal. Os OP não podem servir para "tapar buracos" como poderá vir a ser este o caso...

sábado, 5 de agosto de 2017

Uma noite do outro mundo!



"A 11ª Noite dos Morcegos de Pombal (21ª Noite Internacional dos Morcegos) realiza-se no dia 26 de Agosto no Vale do Poio Novo (Poios, Redinha).
Aproveita a oportunidade para conhecer um pouco os morcegos de Sicó e um dos locais mais emblemáticos do concelho de Pombal.
Vai ser necessário percorrer um trajecto a pé (30 a 40 minutos de duração para cada lado), cujo percurso não é adequado a pessoas com dificuldades de locomoção. Os participantes devem levar calçado de campo, merenda e água.
No passeio pedestre estarão presentes especialistas na identificação acústica de morcegos, munidos de equipamentos que permitem a sua audição e identificação enquanto voam.
Informações e inscrições através do email gps.sico@gmail.com
Data:
26 de Agosto 2017
Horários:
– 18h00: concentração e palestra na Quinta de São João (Poios – Redinha)
Inscrições:
– pelo email gps.sico@gmail.com até às 18h do dia 23 de Agosto;
– seguro e logística: 5 espeleos
– só serão admitidas crianças se acompanhadas por adulto.
Será disponibilizada iluminação aos participantes.
Organização:
Grupo Protecção Sicó

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Topónimos invasores...


Penso que ainda não tinha detectado este pormenor, pois caso tivesse já teria concerteza abordado esta questão. Passando em Pousaflores, há uma rua que tem um topónimo que me parece absurdo. Trata-se da rua das mimosas.
Na primeira imagem vê-se a Serra da Portela ao fundo, e nesta rua, mais abaixo, situa-se o lugar de Pousaflores. É ali que se vê a placa com o nome/topónimo desta rua. Não compreendo minimamente o nome dado a esta rua. Passando do pressuposto que "mimosas" se refere aquela espécie invasora, é um absurdo ter-se optado por aquele nome/topónimo. Sendo Pousaflores um lugar com tanta história, torna-se realmente incompreensível a escolha deste nome para aquela rua. 
Descendo a rua, até Pousaflores, e olhando para os dois lados, o que se vê mais são carvalhos. Fica a a sugestão para a correcção do nome da rua...
A preservação da identidade também passa pelo legado de topónimos com sentido e com história, lembremo-nos desse pequeno grande pormenor.